Arquivos de Tag: shoyo

Porco com Limão e Páprica

Porco com Limão e Páprica

Às vezes você prova uma coisa gostosa, mas nunca lembra de repetir a receita. Outras vezes, você fica obcecado e faz várias vezes, enjoa e nunca mais quer ver aquilo. Finalmente, algumas receitas entram pro seu “repertório”. Esta é uma delas.

Vi no lindíssimo Moldando Afeto  e fiz certinho como a receita mandava. Quando a Anna (que não gosta de frango) veio me visitar, resolvemos testar com carne de porco. Ficou tão bom que nunca mais fiz com o pobre do frango!

Agora, faço assim:

Mais ou menos 800 g de carne de porco cortada em cubinhos bacanas (aquele pedaço suficiente pra uma bocada, mas sem ser grande demais que precise de faca)

1 colher (sopa) BEM GENEROSA de páprica picante

½ xícara de farinha de trigo

1 colher (chá) de sal

Pimenta do reino

1/3 de xícara de shoyo

raspas e suco de 3 limões sicilianos

5 dentes de alho

1 xícara de água

Porco com Limão e Páprica

Em uma tigela, misture a farinha de trigo, a páprica, o sal e bastante pimenta do reino. Envolva bem os cubinhos nesta mistura.

Unte um pirex com um pouco de azeite e coloque os cubos de carne, em uma única camada (para que eles assem direitinho). Regue com um pouquinho mais de azeite e leve ao forno por 20 minutos.

Nesse meio tempo, você vai fazer o molho, que exige uma técnica muito avançada de misturar shoyo, raspas e suco de limão, alho esmagadinho e água numa tigela.

Passados os 20 minutos, você vai dar pausa na Netflix, vai abrir o forno e despejar o molho sobre a carne. Coloque o alarme do celular para 30 minutos, bote um arroz para cozinhar e volte a ver sua série (sem se esquecer do arroz. Já cometi esse erro).

Passados os 30 minutos, o molho vai ter engrossado (obrigada, farinha de trigo do passo inicial, obrigada, calor), a carne vai estar cozida, seu arroz já vai estar pronto e é só servir!

Porco com Limão e Páprica

Na vida real, eu quintuplico essa quantidade e congelo várias porções. Quando preciso de um almoço rápido e gostoso, é só descongelar!

Anúncios

Gazpacho

Gazpacho

Olha, não tá fácil. Tá quente. E, para piorar a situação, parece que reclamar do calor no Facebook não está adiantando. Para tentar conviver com a situação, além do combo picolé + praia, resolvi testar para esta #quintadeverão uma receita que sempre quis fazer, mas nunca lembrava de comprar os ingredientes: Gazpacho, a sopa de tomates espanhola servida fria.

Segui mais ou menos a receita do Chef John ( ♥ ♥ ♥ ♥ ). Se vocês não conhecem, recomendo fortemente! ACHO que tenho uma quedinha por ele. ACHO. 😀

Fiz a receita, tirei as fotos, botei para gelar e pensei “ah, vai sair algo gostoso daí”. Mas eu não tinha noção do QUÃO gostosa e forte era essa sopa! Sem exageros, foi uma das melhores coisas que já preparei na vida! Ela é BEM temperada, você sente que está comendo uma refeição propriamente dita, mas sem o calorão e o “peso” depois de comer, porque é só vegetal!

Você vai precisar de:

3 ou 4 tomates maduros, sem pele e sem semente
½ pepino descascado
½ pimentão da cor que você encontrar
½ cebola picada
1 colher (chá) de sal
½ colher (chá) de cominho – fundamental, não se esqueçam dele!!!
Orégano, pimenta caiena, pimenta do reino e páprica a gosto

2 ou 3 xícaras de tomate cereja
Suco de 1 limão
2 dentes de alho
1 ½ colheres (sopa) de shoyo
¼ de xícara de azeite de oliva

Manjericão para decorar

Retire a casca e as sementes dos tomates e corte-os em cubinhos pequenos. Corte o pimentão, a cebola e o pepino em cubinhos pequenos também. Em uma tigela média/grande, misture tudo. Acrescente o cominho, o orégano, as pimentas e o sal e misture bem. O sal vai ajudar a extrair o “suco” do tomate, então não se espante se formar uma piscininha de tomate no fundo da sua tigela… 😀

Enquanto a mistura descansa, jogue no liqui os tomatinhos cereja, o limão, o alho, o shoyo e o azeite. Bata BASTANTE! Quando estiver bem batidinho, sem nenhum pedacinho visível, respire fundo, pegue uma peneira e coe o “suco” do liquidificador sobre a sua tigela de tomate/cebola/pimentão/pepino. É meio chatinho, mas é importante coar para remover as cascas e sementes do tomate cereja. Outra opção é descascar e remover as sementes antes de bater, but AIN’T NOBODY GOT TIME FOR THAT!

Quando estiver tudo coado, despeje metade do conteúdo da tigela no copo do liqui e bata por uns dois minutinhos. Despeje de volta na tigela, cubra com plástico filme e leve à geladeira por pelo menos duas horas.

Sirva com o manjericão picadinho e umas torradinhas! Dizem que dura uns dois dias na geladeira. Aqui em casa não durou nem meia hora!

Frango de Natal (Ou Frango com Laranja)

1

Se você acha peru uma ave super sem graça, se você vai passar o Natal sozinho ou com poucas pessoas, ou ainda se você mora no Uruguai e um peru de 4,5 kg custa inacreditáveis 170 reais (importado dos EUA! Juro! #sustentabilidade #sqn), esse frango é pra você.

Vi a ideia no Pimenta do Reino (http://www.pimentanoreino.com.br/coxas-de-frango-com-laranja-e-alecrim/) e adaptei pro meu gosto.

Você vai precisar de:

Um frango (cê jura?) – eu usei quatro coxas, duas asinhas e duas sobrecoxas. Você pode usar o frango inteiro, se quiser.

Para a marinada:

1 raminho de alecrim
3 dentes de alho gordos, amassados
Um pedaço de mais ou menos 1 cm de gengibre, ralado
1 xícara de suco de laranja
4 colheres de sopa de shoyo
2 colheres de sopa de azeite
Páprica picante
Pimenta do reino
(Eu não botei sal porque já tinha o shoyo, mas vai do seu gosto, da sua pressão arterial, etc.)

Comece fazendo a marinada. No pirex em que você for assar o frango, junte todos os ingredientes e dê uma misturadinha boa. Acrescente o frango, envolvendo bem as peças no tempero. Cubra com plástico filme.

Se for usar o frango inteiro, coloque a marinada (e o frango, óbvio) em um saco plástico, para que o tempero possa penetrar melhor.

Deixe na geladeira por pelo menos três horas, mas o ideal é deixar por 12 horas. Eu deixei da noite pro dia, ficou classe (e facilita muito a vida, porque é uma coisa a menos para se estressar no dia!).

Cubra o pirex com papel alumínio e leve ao forno pré-aquecido. Passados uns 20 minutos, retire o papel alumínio e regue bem o frango com o caldinho que está se formando no fundo. Como o meu frango era em peças, aproveitei para virá-las.

Deixe assar por mais 30 minutos, mais ou menos, e está pronto! Fica MUITO suculento e com um sabor… festivo. 😀

[Guest Post] Tertúlia de Pernil

[Guest Post] Pernil

[Nota: Esta receita foi feita (e escrita) pelo Rafael e foi originalmente postada na página do Facebook. Eu comi quando estive em Brasília, recheando o Pão de Queijo e, gente…. sensacional!!!]

Uma receita FÁCIL e GOSTOSA para o seu Natal ou para qualquer ocasião. Sério, se você não quer ter trabalho na ceia, dê uma chance para esse pernil. Obrigado dona Ana Lucia pelos ensinamentos.

Tempo de preparo: 1h30min

Ingredientes:
• Pernil sem osso (tamanho variado)
• Bacon (o suficiente)
• 1 cebola em quatro partes.
• Óleo de soja ou azeite
• Temperos variados: shoyu, noz moscada, pimenta do reino, pimenta calabresa, pimenta cumari.

Modo de Preparo:
Essa talvez seja a menor e melhor receita que postarei aqui. Simplesmente fure a peça de pernil em alguns pontos, PREENCHA os furos com PARALELEPÍDOS de bacon e/ou tirinhas de cebola e deposite o pernil em uma panela com o fundo levemente recoberto de óleo de soja ou azeite.

Adicione a cebola (que vai sumir) e os temperos a gosto. NÃO USE SAL: o bacon e o shoyu dão conta. Cubra a peça com água e ligue o fogo alto. Espere e espere e espere até que toda água se evapore e o pernil frite no óleo restante. Demora um pouco? Sim, mas fica mega macio e mega saboroso sem nem sequer precisar de panela de pressão.

[Guest Post] Pernil

Quer fazer MAIS sucesso? Faça a tradicionalíssima combinação mineira de pernil, pão de queijo (PDQ) e maionese de legumes. Sim, senhoras e senhores, fica muito bom! E peço a gentileza de que, quem provou minha receita, se manifeste nos comentários. O PDQ já está postado na página e maionese é fácil de fazer. GARANTO que vai ser sucesso na ceia

[Guest Post] Carne ao Molho de Mostarda da Ostentação

[Guest Post] Carne ao molho de mostarda

[Nota: Esta receita foi feita (e escrita) pelo Rafael e foi originalmente postada na página do Facebook. Fizemos aqui em casa também, quando a Anna veio visitar, e digo o seguinte: é obsceno de bom!]

Tempo de preparo: 40 minutos

Trilha sonora: Janis Joplin (YEAAAAH, HONEY!).

Ingredientes:
• 600 g de alcatra [pode ser qualquer outra carne MACIA: contrafilé, filé mignon, etc. Até coxão mole fica bom];
• 1 cebola média partida em pétalas;
• 1 caixa de creme de leite;
• Alcaparras;
• Mostarda ;
• Azeite;
• Temperos: alho, molho shoyu, pimenta do reino, pimenta calabresa, noz moscada.

Modo de Preparo:
Diferentemente das outras receitas que postei, esta exige poucos ingredientes, sendo bem mais rápida e fácil de executar. É uma sugestão bem em conta, que sempre agrada e impressiona quando você precisa receber aquela galera de surpresa em casa. Mais uma vez, devo esta receita à senhora minha mãe, Ana Lucia.

Basicamente o que você precisa fazer é cortar sua carne em tiras (ou cubos) e jogar tudo dentro de uma “tapaué”. Em seguida, adicionar a cebola cortada em pétalas (ver fotos), alho amassado, esguichos generosos de molho shoyu (aproximadamente 1/2 xícara) e temperos a gosto (pimentas e noz moscada).

Nos temperos você pode soltar a imaginação, só NÃO use sal: o shoyu dá conta do recado e você sempre pode adicionar mais, caso sinta falta ao longo do preparo. Minha técnica preguiçosa e eficiente de temperar a carne envolve tampar a referida tapaué e sacudi-la como se não houvesse amanhã.

Feito isso, basta refogar a carne na panela com azeite e esperar até que ela seque um pouco. Quando restar somente um pouco de água, jogue as alcaparras e a mostarda a gosto.

Minha mãe falaria: “Maneire na mostarda, senão fica forte!”. BOBAGEM, pode tacar mostarda e pedir licença para a sua gastrite! O ideal, no entanto, é você ir jogando aos poucos e provar parar ver se está do seu agrado. Só cuidado pra não acabar com a carne!

[Guest Post] Carne ao molho de mostarda

Quando tudo estiver bem quente, é só abaixar o fogo e adicionar o creme de leite, sempre mexendo. Vá dando umas experimentadas no molho e acertando o sal, se necessário. Após o creme começar a borbulhar, o prato está pronto para ser servido.

Como acompanhamento, sugiro fortemente torradas! Aqui em casa fazemos com pão velho, margarina e orégano. Estranhamente, é difícil encontrar torradas prontas nos supermercados de Campinas. As torradas que existem, em geral, são industrializadas e caras. Dessa forma, a opção caseira é bem mais interessante. Cerveja antes, durante e depois do preparo é sempre bem-vinda!

Salada de Macarrão

Salada de Macarrão

OK. Eu sei. É um absurdo chamar isso de “salada”. Mas foi assim que eu aprendi. E gente, é fácil, é uma delícia, serve de acompanhamento, serve de prato principal, serve de lanche da madrugada…. Ou seja, é perfeito.

Essa é uma receita que PEDE pra ser feita em maior quantidade, porque ela fica mais gostosa ainda no dia seguinte, depois que ficou lá na geladeira um tempinho…. Vamos à receita.

Calorias: cada vez que você chama isso de “salada”, mais 400 calorias.

Ingredientes:
1 pacote de macarrão parafuso, ou fusilli se você quiser ser metido a italiano
3 latas de atum – ao óleo, tá no inferno, abrace o capeta de vez e largue daquela sem-gracice que é o atum em água
1 cebola grande, picadinha
1 lata de ervilha
1 pimentão da sua cor favorita – dessa vez não tinha, não usei, mas fica bom
2 tomates
1 cenoura grande, ralada – dessa vez não tinha, não usei, mas fica bom
2 beterrabas cozidas e cortadas em cubinhos – nunca tinha testado, resolvi inovar, ficou ótimo
Maionese (comece com meia xícara, talvez precise mais)
Shoyo
Temperos diversos (usei páprica, pimenta do reino e mostarda em pó)

Modo de preparo:

Essa é outra receita fácil, fácil. Comece cortando a beterraba em cubinhos. Cozinhe-a, escorra e deixe esfriar.

Coloque a água do macarrão para ferver.

Enquanto a água está fervendo, corte a cebola, o pimentão e o tomate. Rale a cenoura e escorra o atum e a ervilha. Procure uma tigela que caiba tudo. Misture os vegetais (eu preferi deixar a beterraba por cima, pra não ficar tudo cor de rosa, mas faça como achar melhor), o atum e os temperos. Coloque um pouco de shoyo – uma borrifada generosa, mais ou menos – e vá colocando maionese, misturando até dar um ponto de patê grosso. Reserve.

Quando o macarrão estiver cozido, escorra-o e misture a pasta de atum. Sirva morno ou frio. É um almoço perfeito para esses dias de calor!

Yakisoba Turbinado e Descarado

Yakisoba

Explico o descaramento: não tem quantidade exata, é tudo aproximado. Eu sei, eu odeio isso, mas fiz de olho – e na sua casa, você faz do jeito que achar melhor. Explico o turbinado: pus bacon! Não tem nada de tradicional, mas ficou espetacular, recomendo fortemente!!!!!

Ingredientes
– 500 g de carne (usei porco, mas você pode usar carne de vaca ou frango, ou uma mistura…. Ou pode fazer a versão #vegana, pulando a carne e o bacon!)
– 150 g de bacon
– 2 cenouras grandes, cortadas em palito
– 1 cebola grande, cortada em cubinhos
– ½ pimentão vermelho, cortado em palitinhos ou cubinhos
– 1 xícara de repolho roxo picadinho
– 1 xícara de brócolis – só as flores, guarde os talos pro caldo!
– 1 maço de acelga, cortado do jeito que a sua vó cortava couve – se a sua avó for mineira, claro
– 500 g de espaguete – se você quiser fazer com macarrão para yakisoba, melhor. Até parece que eu ia achar isso aqui no Uruguai!
– ½ xícara de molho de soja
– 1 xícara de água
– 3 colheres (sopa) generosas de maisena
– 1 colher (sopa) de açúcar – é, é isso mesmo, e não esqueça dele
– Mais ou menos 1 colher de sopa de gengibre ralado fininho (opcional porém essencial na minha opinião)

Modo de preparo:

Corte a carne em cubinhos ou em tirinhas e tempere com alguma pimentinha esperta. Corte o bacon em cubinhos (ou compre o que já vem em cubinhos). Refogue e avalie se precisa de sal. Eu não coloquei, porque achei que o sal do bacon deu conta do recado. Reserve.

Corte todas as verduras. Enquanto está cortando tudo, coloque a água do macarrão para ferver, porque sempre demora mais do que a gente imagina que vai demorar, é incrível.

Em uma panela grande, refogue a cebola com um pouquinho de azeite e acrescente a cenoura, porque ela precisa de mais tempo. Acrescente a carne e dê uma boa mexida.

Faça o molho, misturando em uma cumbuca/tigela/bowl/whatever o molho de soja, a água, o açúcar, a maisena e o gengibre. Misture bem até dissolver a maisena e despeje sobre as verduras.

Quando a cenoura já tiver amaciado um pouquinho (coisa de 5/10 minutos), coloque o brócolis, o pimentão e o repolho roxo e deixe cozinhar por mais uns outros 5 minutinhos. Agora é hora de acrescentar a acelga, mexendo sempre. Não se assuste com o volume. A acelga vai murchar MUITO, mas a ideia é essa mesmo. Quando a acelga murchar e o seu molho estiver meio grossinho no fundo, desligue o fogo.

Com sorte, a água do macarrão já vai ter fervido. Coloque o macarrão na panela, salgue a água e cozinhe conforme as instruções do pacote. Escorra o macarrão, acrescente o molho quente e se empanturre!!!