Arquivos de Categoria: Pratos Principais

Gazpacho Blanco

English version

Gazpacho Blanco

Sopa fria. Tem muita gente que protesta, mas eu acho que é porque nunca provaram: sopa fria é o que há no verão! Essa é minha sopa fria favorita. Embora eu ache esquisitíssimo chamar de gazpacho algo que não leva tomate, se o Chef John diz que esse é o nome, eu não vou contestar. 😀

É a receita mais fácil do mundo? Não, nem de perto. Mas vale a pena. Sabe, há sete anos eu não sabia nem fazer arroz. Hoje eu sei fazer uma sopa fria com um sabor sofisticado, daquelas receitas bacanas para impressionar. Não tem como não dar um sorrisinho de satisfação… 🙂

Para 4 porções, você vai precisar de:

2 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 xícara de alho-poró lavado e picado – pique, depois meça. Use só a parte branca, senão sua sopa vai ficar verde! Guarde a parte verde para fazer caldo de legumes.
2 pepinos grandes, descascados
10 uvas verdes sem sementes – tirei as sementes da uva verde normal, nunca vi uva sem semente aqui no Uruguai!
¼ xícaras de amêndoas picadas – você pode comprar as amêndoas já fatiadas, mas eu usei a amêndoa inteira porque era o que tinha em casa
1/3 xícara de sour cream* (creme azedo) ou de iogurte natural sem açúcar
1 xícara bem cheia de miolo de pão
2 colheres (sopa) de suco de limão
Sal, pimenta-do-reino e pimenta-caiena a gosto
1 ½ xícaras de água gelada – talvez você precise de mais
Endro (opcional) – só umas folhinhas!

*Aqui é fácil de comprar, mas eu tenho preferido fazer em casa, acho mais gostoso: para essa receita, misture 80 mL de creme de leite fresco com 1 colher (chá) de suco de limão. Mexa bem até engrossar e reserve por pelo menos 1 hora.

Gazpacho Blanco

Comece descascando as amêndoas: deixe de molho em água fervente por 1 minuto. Escorra e deixe de molho em água fria por 1 minuto. Escorra novamente e espalhe sobre um pano de prato limpo e seco. Usando o pano, esfregue as amêndoas: a pelinha sai rapidinho! Pique, meça e reserve.

Em uma frigideira, aqueça 1 colher de azeite e cozinhe o alho-poró em fogo médio por uns 10-15 minutos, até que ele amoleça. Deixe esfriar completamente. Descasque os pepinos e corte em pedaços médios. Reserve.

Quando o alho-poró estiver frio, é hora de bater. No liquidificador, coloque o pepino, o alho-poró, as uvas, as amêndoas, o iogurte/sour cream, o pão, o suco de limão, mais ou menos uma colher (chá) de sal, a água e o endro. Bata bem e, se tiver dificuldade, acrescente mais água. Não coloque MUITA água, a gente quer que a sopa fique mais grossinha.

Quando estiver bem homogênea, é hora da parte mais chatinha: peneirar! A ideia é tirar qualquer casquinha/sementinha, então força!

Como o segredo é servir essa sopa BEEEEM gelada, encha uma forma de gelo com a sopa peneirada e leve ao freezer. Cubra o resto da sopa e leve à geladeira por umas três horas.

Quando a sopa estiver bem fria, prove o tempero: eu coloquei mais pimenta-do-reino e pimenta-caiena. Para servir, coloque uns dois cubinhos de sopa congelada na tigela, complete com a sopa. Pingue umas gotinhas de azeite, coloque algumas uvas cortadas ao meio, algumas amêndoas e sirva!

Anúncios

Crudo Siciliano

English version

Crudo Siciliano

Um dos melhores restaurantes aqui do Uruguai é o La Huella, em José Ignacio. Não vamos muito, mas sempre que vamos é uma maravilha. Ano passado, no meu aniversário, comemos vários pratinhos, mas um era realmente especial: era como um ceviche, mas com alguns sabores bem diferentes.

Fiquei super curiosa, claro. Quando pedimos a conta, o garçom falou que eles tinham lançado um livro de receitas do restaurante. Fiz a pergunta óbvia: “tem essa receita lá?”. Minutos depois ele voltou, dizendo que não tinha, mas que a chef poderia me explicar como fazer. CLARO que corri para conversar com ela! Como era de se esperar, ela não me passou quantidades, mas me deu uma boa ideia da proporção dos ingredientes. Anotei tudo.

Achei que ia preparar a receita na semana seguinte, mas acabei não fazendo. Na verdade, enrolei tanto que só fui fazer agora, para abrir as Tertúlias de Verão!

Para um almoço leve para quatro pessoas, você vai precisar de:

Aproximadamente 800 g de peixe branco desossado – ela usou corvina, eu usei brótola, você use o peixe bacana (e firme) que preferir. Reduza a quantidade para menos pessoas, esse é um prato que fica melhor servido na hora.
Sal
Pimenta-caiena
Pimenta-do-reino
½ cebola roxa, picada beeeeem miudinha – não rale!
1 maço de cebolinha, picada beeeeem miudinha – você pode usar hortelã também, ficaria bem gostoso
1 colher (sopa) generosa de mostarda Dijon – da próxima vez, vou colocar mais um pouquinho.
2 colheres (sopa) de alcaparras
Raspas de 1 limão siciliano
Suco de 1 limão siciliano
Azeite – use mais ou menos a mesma quantidade do suco de limão

Crudo Siciliano

Comece cortando o peixe em cubinhos pequenos – o meu acabou ficando um pouco grande! 😦 Não é como o cubo do ceviche, não, é cubo pequeno mesmo. Tempere o peixe com sal, pimenta-caiena e pimenta-do-reino e leve de volta à geladeira, para que ele não perca a consistência.

Corte a cebola roxa beeem miudinha, o menor que você conseguir! Não amasse nem rale: o objetivo realmente é ter mini pedacinhos de cebola. Pique a cebolinha e as alcaparras bem miudinhas também – a alcaparra vai quase formar uma pasta, é isso mesmo. Em uma tigela, misture a cebola, a cebolinha, a alcaparra, as raspas de limão e a mostarda Dijon. Reserve.

Em outra tigela, misture bem o suco de limão e o azeite, até emulsionar. Eu fiz assim: coloquei o suco de limão e fui despejando o azeite em um fio, devagarzinho, batendo bem com o fuê. Deu trabalho, claro. Fui olhar agora e parece que dá pra fazer com o mixer/liquidificador, bem mais fácil! Vou tentar da próxima vez! Reserve essa emulsão também.

Na hora de servir, é só misturar o peixe, a mistura de cebola e a emulsão em uma tigela grande. Confira o tempero e sirva com uma salada de folhas!

Anéis de Pimentão Recheados

English version

Anéis de Pimentão Recheados

Nostalgia de comida. Não é uma coisa que eu tenha com muita frequência, mas de vez em quando sinto uma saudade de algumas receitas que comi quando criança e nunca mais ninguém preparou. Sabe, como pavê de biscoito champagne.

Dessa vez, o sentimento foi bem estranho: me deu saudade de uma receita que minha mãe deve ter feito uma vez só na vida E QUE EU NEM GOSTEI. Ok, eu sei que isso pode ser um sinal de loucura. Mas fiquei pensando em pimentões recheados por uns dias e resolvi fazer algo a respeito.

A ideia para essa versão veio, pra variar, enquanto eu procrastinava algum trabalho olhando receitas no Pinterest. Achei que ia fazer exatamente igual a essa receita, mas acabei fazendo bem diferente 😀

Para duas pessoas com fome, você vai precisar de

2 pimentões grandes – da cor que você preferir/a que estiver em promoção no mercado
400 g de carne moída
1 ovo
¼ de xícara de parmesão ralado fininho
1 cebola cortada em cubinhos
Alho a gosto – usei vários!
½ maço de salsinha picadinha
Sal, pimenta-do-reino, páprica picante, pimenta calabresa e mostarda em pó
400 mL de molho de tomate – eu usei passata mesmo #preguiças
Mais ou menos 300 g de muçarela

Anéis de Pimentão Recheados

Corte os pimentões em fatias grossas, de uns 2 dedos de altura – eu consegui três fatias por pimentão. Reserve. Corte as pontinhas que sobraram do pimentão em cubinhos.

Em uma tigela, misture a carne moída com o ovo e o parmesão ralado fininho. Acrescente a cebola, as aparas do pimentão, o alho e a salsinha. Tempere bem com sal e pimenta-do-reino. Eu, pra variar, coloquei páprica e outros temperos (pimenta calabresa e mostarda em pó). Reserve.

Recheie os anéis de pimentão com a carne moída. Seja delicado: se você SOCAR a carne moída, o pimentão vai quebrar! 😀

Em uma frigideira/chapa bem quente, sele os anéis recheados por 3 minutinhos de cada lado.

Coloque o molho de tomate em um refratário e vá colocando os anéis assim que eles estiverem selados. Cubra com a muçarela – eu usei a fatiada, porque era o que tinha em casa, mas acho que derreteria melhor se tivesse usado a muçarela ralada grossa.

Leve para assar em forno pré-aquecido por mais ou menos 30 minutos e sirva!

FREEZER: Congele pronto para assar: cubra um refratário (eu usei aquelas quentinhas de alumínio mesmo!) com o molho de tomate, coloque os anéis já selados, cubra e congele. Quando for usar, descongele, cubra com o queijo ralado e asse normalmente.

Broccoli Melts (Sanduíche de Brócolis)

English version

Broccoli Melts

É, eu sei. “Sanduíche de brócolis” não parece ser uma coisa boa. Eu fiquei levemente intrigada quando li a receita na Smitten Kitchen no ano passado, mas depois pensei “er… não. Isso é sanduíche de brócolis”. Deixei quieto.

Isso até a semana passada. Sky comprou não-sei-quantos brócolis porque estava em promoção. Eu não aguentava mais comer brócolis puxado na manteiga. Lembrei dessa receita. Li de novo, achei menos estranha e resolvi fazer. Ela rende oito fatias e eu realmente achei que iria sobrar. Que inocência! Sky mordeu a primeira e falou: você fez pouco. Eu provei e concordei – quase deu briga pelo último pedaço! 😀

Sabe quando uma receita entra imediatamente pro cardápio semanal? Pois é! A combinação do brócolis com as raspas de limão e o queijo fica realmente muito boa!!

Para deixar o ceticismo de lado e fazer essa delícia, você vai precisar de:

500 g de brócolis
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
3 dentes de alho, picados – eu usei alho em flocos, porque não tinha alho em casa #desespero
Pimenta calabresa, a gosto
Raspas e suco de meio limão – eu raspei o limão siciliano inteiro 😀
Sal e pimenta do reino
½ xícara de queijo parmesão ralado no ralador mais fininho
8 fatias de pão
manteiga, se quiser passar no pão
8 fatias de muçarela

Broccoli Melts

Comece preparando o brócolis: corte os floretes em pedaços médios (de uns 5 cm) e os talos, que são mais duros, em pedaços pequenos (de uns 2 cm). Em uma panelinha, coloque cerca de um dedo de água para ferver. Quando estiver fervendo, coloque o brócolis picado, tampe a panela e deixe cozinhar por uns 4-5 minutinhos. Escorra bem a água – a receita original sugere secar com papel toalha, mas eu esqueci e não fiz isso – e transfira para uma tábua.

Corte o brócolis mais uma vez, agora pra que tudo fique em pedacinhos pequenos. Seque a panelinha que você usou para cozinhar o brócolis e aqueça o azeite por um minuto, em fogo médio. Coloque a pimenta calabresa e o alho e deixe aquecer por mais um minuto. Coloque o brócolis e misture bem, para envolver o brócolis no azeite. Acrescente uma pitada de sal e
cozinhe por uns dois minutos e reserve.

Coloque as fatias de pão na assadeira – eu usei a do forninho elétrico, porque meu forno não tem grill. Toste levemente as fatias, dos dois lados – eu passei manteiga dos dois lados porque, né?

Quando o pão estiver levemente tostado, pegue aquela panelinha com brócolis e acrescente o queijo parmesão ralado, as raspas e o suco de limão. Prove para ver se está bom de sal – se não estiver, agora é a hora de acertar!

Coloque uma montanhinha da mistura de brócolis sobre cada fatia de pão. Coloque uma fatia de muçarela e leve ao forno para derreter o queijo. Devore sem neuras, porque né, brócolis = saudável. 😀

Borscht

English version

Borscht

Mês passado, minha tia me contou de uma sopa de beterraba que minha avó tinha feito uma vez, lá em 1900 e bolinha, mas tinha perdido a receita. Claro que fui conversar com a minha avó, mas ela só lembrava que a receita era russa, ou algo assim. Só podia ser borscht! Encontrei várias receitas, com várias formas de preparo distintas, e acabei decidindo juntar a receita da Ana com a do Chef John e fazer a minha! 🙂

Quem me conhece sabe que eu tenho opiniões fortíssimas sobre o vinagre (a saber: não é comida, é produto de limpeza!). Essa receita me fez mudar de opinião, ao menos temporariamente! Provei a sopa sem vinagre e provei com vinagre. Ficou muito melhor com! 😮

Falando em sopa, minha ex-professora Alessandra Siedschlag (sim, se você reconheceu o nome é ela mesma e agora eu sei que você assistia BBB) está fazendo um projeto super bacana: ela está fazendo e distribuindo sopa para os moradores de rua em São Paulo. E, claro, ela aceita ajuda! Seja em dinheiro, seja em doações de ingredientes/agasalhos/tempo para ajudar a descascar verduras… Se puderem, participem!

Voltando ao borscht, você vai precisar de:

3 xícaras de beterraba, cortadas em tirinhas/cubinhos
2 cenouras médias, cortada em cubinhos
1 cebola grande, cortada em cubinhos
2 talos de salsão/aipo, cortados em cubinhos
½ repolho branco, fatiado em tirinhas – usei ½ repolho porque o meu era um repolhão. Se o seu for do pequenininho, use todo!
2 litros de caldo de carne ou caldo de legumes, se preferir uma receita vegetariana
2 colheres (sopa) de vinagre
1 folha de louro
sal, pimenta e páprica

Borscht

Opcional, mas altamente recomendável:
Creme azedo (sour cream)*
Endro picadinho – no dia da foto, usei salsinha, mas depois provei com endro e fica maravilhoso

*Aqui é fácil de comprar, então usei o industrializado, mas você pode fazer o seu em casa: misture 240 mL de creme de leite fresco com 3 colheres (chá) de suco de limão. Mexa bem até engrossar e reserve por pelo menos 1 hora.

Essa receita é muito fácil: comece picando a beterraba, a cenoura, a cebola, o aipo e o repolho. Eu cortei a beterraba em tirinhas só porque achei que ia ficar bonito – não tem nenhuma explicação especial! 😀

Na panela que for fazer a sopa, coloque a cebola, o salsão/aipo e a cenoura com um pouco de manteiga (se for fazer para algum amigo vegano, use azeite!). Tempere com sal, pimenta e páprica e refogue por uns 5 minutinhos. Quando a cebola estiver transparente, acrescente o caldo, a beterraba e o repolho.

Tampe a panela. Cozinhe em fogo médio até levantar fervura. Abaixe o fogo e deixe cozinhar por uns 50 minutos, mais ou menos, até que a beterraba esteja macia. Prove o tempero, crie coragem e acrescente o vinagre. PRONTO, É ISSO.

Sirva com uma colherada generosa de creme azedo (menos para o seu amigo vegano) e um pouquinho de endro picado!

Sopa de Ervilhas Secas

English version

Sopa de Ervilha

Como já é quase tradição, o friozinho de julho pede Tertúlias de Sopa!

Eu amo ervilha. AMO. A de lata mesmo. (Pausa para as carinhas de “eca!”). Até como ervilhas frescas, mas não acho tão bom quanto aquela ervilhinha de lata…. #mejulguem Nunca tinha provado ervilhas secas. Na verdade, acho que nem nunca tinha visto no supermercado, mas isso provavelmente é porque o Sky é que faz as compras, eu só faço a lista 😀

Quando vi essa receita da Rita Lobo, que além de ervilhas pedia bacon, não tive dúvidas! Se você é vegetariano/vegano, não precisa ficar triste: siga a dica do Chef John e substitua o bacon por shiitake! Se você é onívoro, não faça essa cara de espanto/revolta ao ver que eu sugeri essa substituição…. 😀

A parte divertida da receita foi o acompanhamento – em vez de croutons ou pãezinhos, pipoca! Fiz sem acreditar muito, mas não é que fica bem gostoso??

Para uma sopa relativamente pequena, você vai precisar de:

250 g de bacon em cubinhos – a receita pedia só 100, veja bem que absurdo. Como já disse, para veganizar a receita, use shiitake!
1 cebola média, picada
500 g de ervilhas secas, hidratadas por 4 horas
1 folha de louro
2 litros de caldo de carne ou caldo de legumes, de preferência o caseiro!
sal, pimenta-do-reino e páprica
PIPOCA!

Sopa de Ervilha

Existe uma regra muito básica na cozinha, que é ler a receita inteira antes de começar a cozinhar. Todo mundo sabe disso. Básico. CLARO que eu não fiz isso e me ferrei, porque a ervilha tinha que ser hidratada! Ia fazer a sopa para o almoço, ficou para o jantar. 😦

Lave as ervilhas secas, coloque-as em uma tigela e cubra com o triplo de água. Deixe descansar por mais ou menos 4 horas.

Quando elas estiverem hidratadas, escorra a água e reserve. Na panela em que você for fazer a sopa, coloque o bacon para dourar, deixando sair bastante gordura – se estiver usando shiitake, dê uma fritadinha com azeite! Quando estiver dourado, retire com uma escumadeira e reserve.

Na gordura do bacon/azeite, doure a cebola em fogo baixo. Quando a cebola estiver transparente, adicione as ervilhas e refogue um minutinho, só pra dar uma temperadinha. Acrescente o caldo, tempere com uma colherinha de sal, além de pimenta-do-reino e páprica. Tampe a panela e deixe ferver. Cozinhe em fogo baixo por uns 20-25 minutos, misturando de vez em quando, até que as ervilhas estejam macias.

Enquanto isso, estoure as pipocas. Tente não comer toda a pipoca antes da sopa ficar pronta. É mais difícil do que parece #fato

Transfira a sopa aos poucos para o liquidificador e bata bem. A Rita Lobo recomenda segurar a tampa do liquidificador com um pano de prato pra evitar que o vapor abra a tampa. Eu usei o mixer direto na panela mesmo, muito mais fácil! 😀

Coloque a sopa de volta na panela (se estiver usando o mixer, não precisa fazer nada, só sorrir). Acrescente o bacon/shiitake e leve ao fogo alto até voltar a ferver. Prove para ver se está bom de sal.

Na hora de servir, coloque a sopa no prato/tigela e só então coloque as pipocas!

Torta de Cebolas Assadas

English version

Torta de Cebolas Assadas

OPS, pulamos uma semana! Fui a um congresso semana passada e acabei não tendo tempo de deixar a receita agendada… :S

Para fecharmos as Tertúlias de Torta, resolvi fazer uma receita que sempre namorei. Ela parecia ser bem fácil (e era mesmo), mas eu tinha um grande problema: nunca encontrei uma massa folhada decente aqui no Uruguai! As congeladas NUNCA folheavam, além de terem aquele gosto maravilhoso (sqn) de gordura vegetal hidrogenada! Resolvi o problema aloprando: fiz a minha própria massa folhada, seguindo a receita da La Cucinetta. Deu super certo e nem foi tão difícil! Não tirei fotos do processo, mas vou corrigir esse erro na próxima vez.

Essa é uma boa pedida para um jantarzinho em casa, um happy hour… ou um almoço de domingo mesmo!

Você vai precisar de:

¼ xícara de azeite de oliva
2 colheres (sopa) de vinagre – a receita original falava em vinagre de vinho tinto, mas eu usei vinagre de arroz porque era o que tinha em casa!
1 colher (sopa) de tomilho – usei o seco, mas se você tiver tomilho fresco é melhor!
raspas da casca de 1 limão siciliano – usem! Esqueci de colocar na foto dos ingredientes, então raspei direto sobre a assadeira 😀
sal e pimenta-do-reino
2 cebolas roxas
2 cebolas – como a minha cebola era muito grande, usei só uma
400 g de massa folhada – pode ser a congelada mesmo, eu é que não encontro ela aqui!
100 g de queijo de cabra cremoso – eu usei um queijo de cabra temperado com ervas finas, ficou bem legal! Você pode usar cream cheese, se não for chegado ao queijo de cabra
1 ovo batido, para pincelar

Torta de Cebolas Assadas

A torta chama “Torta de Cebolas ASSADAS”, né? Então começamos assando as cebolas! 😀 Corte as cebolas em rodelas finas. Se tiver uma mandolina (meu atual sonho de consumo), mande bala! Forre uma assadeira grande com papel manteiga e coloque as rodelas inteiras – não as separe em anéis e, se possível, não empilhe as rodelas.

Em uma tigela, misture o azeite, vinagre, o tomilho e as raspas de limão. Acrescente um pouco de sal e pimenta-do-reino. Despeje a mistura sobre as rodelas de cebola e leve para assar por uns 25 minutos, até que estejam macias. Deixe esfriar um pouco, mas não desligue o forno!

Abra a massa folhada em um retângulo de 20 x 25 cm, mais ou menos. Se estiver fazendo a massa caseira, forre uma forma com papel manteiga, para absorver um pouco da gordura extra e deixar mais crocante!
Com uma faca, risque uma bordinha de 1 cm em todos os lados do retângulo da massa, mas sem cortar totalmente. Isso vai criar uma bordinha mais folheada para a torta, fica bonito! Com o garfo, faça furinhos dentro de toda a margem. Espalhe o queijo dentro dessa margem e arrume as fatias de cebola – agora você pode empilhar um pouco! ☺

Pincele a bordinha com o ovo batido e asse por uns 20 minutos, ou até que a massa cresça e doure. Agora é só comer!

Quiche Lorraine

English Version

Quiche Lorraine

Nessa ida a Brasília ganhei um presente maravilhoso da minha tia Paula: o livro do Gui Poulain, Cartas Amarelas! Além do autógrafo maravilhoso, o livro é lindo de tudo quanto é jeito. Claro que já estava agoniada querendo começar a fazer receitas dele – para começarmos as Tertúlias de Tortas, resolvi fazer a receita de Quiche Lorraine, porque é uma das minhas tortas favoritas!

Segui a receita quase à risca – mudei o jeito de abrir a massa, porque não queria sujar a bancada! Como esperado, ficou sensacional. O mais legal é que é uma delícia quente E em temperatura ambiente. Essa receita rendeu seis porções – almoço, jantar e almoço de novo! E ninguém reclamou de comer a mesma coisa três vezes seguidas… 😉

Para a massa

250 g de farinha de trigo
125 g de manteiga sem sal gelada, cortada em cubinhos
2 colheres (chá) de sal – da próxima vez, vou usar uma colher só, achei a massa um cadinho salgada
1 colher (chá) de açúcar
1 gema de ovo
50 mL de água

Para o recheio

300 g de bacon, cortado em cubinhos
1 cebola, cortada em cubinhos
3 ovos
250 g de creme de leite
sal, pimenta-do-reino e noz-moscada
150 g de queijo gruyère, ralado grosso – tenho certeza que dá pra usar a boa e velha muçarela aqui sem problemas

Quiche Lorraine

Comece fazendo a massa. Com um fuê, misture a farinha de trigo, sal e açúcar. Coloque a manteiga e, com a ponta dos dedos, amasse até formar uma farofinha úmida. Acrescente a gema e a água e amasse só até conseguir formar uma bola – não sove, para que a massa não fique dura! Envolva em um plástico-filme e leve para a geladeira por uns 20 minutos, para descansar.

Isso é o oposto do que você vai fazer, porque agora é hora de cortar o bacon em cubinhos! Frite em fogo baixo, com paciência, para que a gordura do bacon derreta bem. Quando o bacon tiver bem fritinho, retire um pouco da gordura que ficou na panela, acrescente a cebola picadinha e doure no restinho de gordura do bacon. Reserve o bacon e a cebola em um prato, tentando não beliscar muito até a hora de montar a torta.

Em uma tigelinha, bata os ovos com o creme de leite e tempere com sal, pimenta-do-reino e noz-moscada.

Tire a massa da geladeira. O jeito normal de abrir é polvilhando a bancada com farinha e usando o rolo. Pra reduzir a bagunça, eu cortei duas folhas de papel manteiga em um tamanho maior do que a minha forma (que tinha 23 cm), coloquei a massa entre as duas folhas e usei um rolo para abrir. Daí tirei o papel de cima, coloquei a forma sobre a massa, girei todo mundo e a massa ficou certinha na forma! (E, lógico, tirei a segunda folha de papel manteiga).

Montar a torta é muito fácil: coloque o refogadinho de cebola e bacon, cobrindo bem o fundo, despeje a mistura de ovos e creme de leite e cubra tudo muito bem com o gruyère ralado!

Leve ao forno preaquecido por uns 40 minutos, mais ou menos, ou até que tudo fique douradinho e firme! Você pode atacar assim que sair do forno (foi o que fizemos aqui) ou esperar esfriar e comer em temperatura ambiente (o que também fizemos aqui :D)

Fish and Chips

English version

Fish and Chips

Lembro bem da primeira coisa que comi na Inglaterra: uma torta de carne de porco fria, com uma camada visível de gordura, com um café também frio e ruim. Além disso, foi tudo caro! O coitado do Sky, responsável por essa escolha, até hoje é zoado por isso! 😀

Mas lá também comi coisas maravilhosas, entre elas o famoso fish and chips. A primeira vez que comemos foi no único restaurante aberto que encontramos depois de um dia cansativo de bater perna. Quando pedimos uma cerveja, o dono ficou meio insultado: não sabíamos que era um restaurante halal (que segue as regras do Corão)! Para finalizarmos as Tertúlias de Mar, resolvi fazer fish and chips – dei uma boa risada quando vi que a receita do Jaime Oliver levava cerveja na massa! 😀

Você vai precisar de:

250 g de filés de peixe branco, sem espinhas – usamos corvina
½ colher (chá) de sal
pimenta-do-reino e páprica
225 g de farinha
250 ml de cerveja GELADA – veja que dificuldade…. 😀
3 colheres (chá) de fermento químico
Batatas para fritar – confesso que trapaceei e comprei as batatas pré-fritas. Eu sei, eu sei.
Mais ou menos 1 litro de óleo para fritar

Fish and Chips

Comece aquecendo o óleo. Coloque algumas cervejas pra gelar. Quando o óleo estiver quente, frite as batatas. Enquanto as batatas estão fritando….

Tempere os filés de peixe com sal, pimenta-do-reino e páprica. Como aqui íamos comer de petisco, cortei o peixe em pedaços médios, mas o mais tradicional é fritar o filé inteiro. Reserve.

Em uma tigela, misture a farinha e o fermento com um fuê – acrescente a cerveja, que deve estar BEM gelada, aos poucos. A massa deve ter uma textura mais grossinha, quase como um creme – se ela ficar muito líquida, vai fazer uma meleca no seu fogão!

Passe os pedaços de peixe na massa, cobrindo bem. Frite no óleo quente até dourar. Aqui eu servi com uma maionese de alho e ervas – e cerveja, claro!

Camarão Empanado com Coco

English Version

Camarão Empanado Com Coco

Opa, pulamos uma semana! Mas na correria da festa de formatura da Gabi (que foi na quinta, mas nós festejamos na sexta e no sábado também! Hahahah!), não deu mesmo pra postar! Para compensar, hoje continuamos as Tertúlias do Mar com uma receita bem fácil e diferente, ótima para um happy hour!

A primeira vez que comi isso foi no único buffet de comida chinesa que conheço no Uruguai – e pensar que no Brasil tem um restaurante de comida chinesa em cada esquina, snif! A versão mais tradicional é a frita por imersão, mas resolvi fazer de uma forma menos chutação de balde e achei que ficou mais gostoso do que o original!

Você vai precisar de:

400 g de camarão limpo
1/3 de xícara de maisena
1 colher (chá) de sal
1 colher (chá) de pimenta caiena – você pode trocar por páprica, se preferir menos picante
2 xícaras de coco ralado – aqui usei o coco ralado normal, porque é só o que tem. Se você encontrar coco ralado em flocos não adoçados, vai ficar mais bonito!
3 claras

Para o molhinho:
Geleia de laranja, daquelas sem açúcar

Camarão Empanado Com Coco

Eu já disse que essa receita é muito fácil?

Comece preparando uma assadeira: pegue a assadeira e unte com azeite. Fim da preparação! 😀

Tempere a maisena com sal e a pimenta caiena. Coloque em um prato e reserve. Bata as claras rapidamente com um garfo e coloque em outro prato. Reserve. Coloque todo o coco em um terceiro prato e, adivinhe? Reserve também. 😀

Agora é só montar a linha de produção: pegue um camarão, passe na maisena, depois nas claras e por fim no coco. Coloque-o na assadeira e repita o processo até acabar! Como 400 g é bastante camarão, recomendo empanar vendo uma série, sabe como é. 😀

Leve para assar em forno preaquecido por 7 minutos. Quando der o tempo, retire a assadeira do forno, vire os camarões para que eles dourem do outro lado e asse por mais 7 minutos.

Enquanto o camarão assa, faça o molhinho: em uma panelinha, dissolva a geleia com algumas colheres de de água, para que ela amoleça. Quando levantar fervura, desligue o fogo. Coloque em um potinho fofo e sirva!